quinta-feira, outubro 19, 2006

Cantinho do contra

Uma auto-estrada, como sabemos, destina-se a permitir viagens mais rápidas e mais seguras. O que se passa no acesso a Lisboa a partir do Norte roça o escândalo. Nos últimos meses, provavelmente anos, não há viagem sem o condutor ser incomodado por obras a decorrer, máquinas em movimento, bermas suprimidas ou pavimentos em regularização. Nalgum momento do percurso, tanto pela A8 como pela A1, é certo e sabido que vai haver sarilho. Actualmente, na A1, a situação chega a tal ponto que se o preço da portagem fosse indexado ao índice de obras a Brisa teria de pagar aos condutores. O extraordinário é que eles se dão ao luxo de gozar connosco através daqueles ecrãs electrónicos que alertam para trabalhos a xis quilómetros. Tenham dó. Qual é a alternativa? Inversão de marcha e volta atrás? Encosta a viatura e pede boleia? Quer dizer, um procedimento civilizado seria informar ANTES do nó de acesso, ANTES do potencial utilizador se ver entalado a 80 km/hora numa via de suposta circulação rápida. Não. Para tanto teria de existir a normal relação de forças entre consumidor e fornecedor de serviços. Que, num quase-monopólio, é impossível.

Da televisão por cabo há outro tanto para dizer. Já todos nos habituámos aos canais sem sinal dias a fio, às interrupções momentâneas de transmissões desportivas, ao bloqueio de canais abertos - pelos quais se paga mensalmente - quando transmitem programas com direitos internacionais, às séries que voltam ao primeiro episódio ao fim de dois meses e às outras que são emitidas sem qualquer respeito pela ordem natural de sequência dos episódios, etc, etc, etc. Todas as queixas relacionadas os operadores pura e simplesmente pisaram e andaram, sem que as entidades reguladoras tenham achado interessante intervir. Mas quando a malta da pirataria começa a esticar-se, logo a Assembleia da República acode os pobrezinhos. O diploma saiu hoje e tem coimas de 500 a 3750 euros para os clientes com receptores ilegais. Curiosamente, no regulamento que prevê a penalização de condutores sob efeito de cocaína, heroína, anfetaminas e demais drogas, também aprovado hoje pelos deputados, as multas vão só até 2500 euros. É justo.

Por fim, a minha querida EDP. Mais ou menos há dois anos comprei um apartamento. Na sequência da política da EDP de encerramento de balcões, o contrato de fornecimento de energia eléctrica foi celebrado numa loja de som, televisores e pequenos electrodomésticos. Acontece que, na transição do papel para o sistema informático da EDP, algum funcionário menos acordado inseriu erradamente o endereço do titular do contrato (neste caso, eu). Foi o início do efeito dominó – a segunda factura já não chegou ao destinatário, que, obviamente, não a pagou. Quando o computador emitiu a terceira, acendeu-se a luzinha vermelha no ecrã. Havia um mês em falta. E o que faz a EDP nestes casos? Manda cortar que se faz tarde. Cartinha de aviso? Não chegou à caixa de correio. Naturalmente. De modo que, no final de uma aprazível jornada de trabalho, o titular do contrato entra em casa e vê-se às escuras. Mais: o portão da garagem não funciona, a placa do fogão não funciona, a caldeira que aquece a água para o banho não funciona, o aquecimento central não funciona. Tecnicamente, já não se pode chamar lar àquele apartamento. Depois de vários telefonemas, o call-center da EDP descobre o que se passa e informa que só a regularização da dívida permitirá o regresso à normalidade. Já caiu a noite, os serviços estão fechados. Calma. No dia seguinte, às 09h30, é efectuado o pagamento da factura, acrescido de uma taxa de reactivação. Volvidas 12 horas, o titular do contrato volta a entrar em casa. Desta vez com um sobrinho de um ano e meio a cargo para jantar e dormir. Apesar do estaleiro local da EDP ficar a 300 metros, o cenário mantém-se inalterável. Não há luz, o portão da garagem não funciona, a placa do fogão não funciona, a caldeira que aquece a água para o banho não funciona, o aquecimento central não funciona. E, mesmo assim, o call-center tenta convencer o reclamante - que pagara há 12 horas uma reactivação provocada por um erro da empresa - a esperar pelo dia seguinte. Felizmente, nós portugueses sabemos sempre dar voz a uma boa peixeirada – e uns minutos depois o piquete estava à porta.

1 Comments:

Anonymous José maria said...

Gostei do seu texto.Fez uma fotografia com qualidade sobre algumas dificuldades com que nos debatemos no dia a dia.
Deixe que lhe diga se tivesse optado pelo relato da situação final talvez até nos divertisse.
Aliás, o episódio até acabou bem, toda a família com direito a luz, aquecimento e comida.
Até apetece dizer: conte,conte, conte...

20/10/06 10:56  

Enviar um comentário

<< Home