quinta-feira, novembro 22, 2007

A democracia venezuelana

Decorria o programa diário do jornalista venezuelano Gustavo Azócar na Televisão Regional de Táchira quando a deputada Iris Varela, uma veemente aliada do Presidente Chávez, entrou no estúdio acusando-o de a ter difamado. Como Azócar não parecia ficar convencido, Varela passou à acção: esbofeteou o apresentador, partiu-lhe os óculos e destruiu parcialmente o cenário. Tudo em frente às câmaras de televisão. Bendita democracia.

4 Comments:

Anonymous NC said...

A nossa democracia. Desafio-vos a procurarem referências à visita de Hugo Chavez a Portugal e ao seu encontro com José Sócrates no Portal do Governo. E, no entanto, vamos mamar, e muito, dessa fabulosa teta.
A democracia deles não é boa, mas a nossa está completamente podre.


"Comunicados à Imprensa
.
[20-11-2007]
.
.
.
Assinatura de Acordo entre a Galp Energia e a PDVSA, Petróleos da Venezuela
.
.

O Ministro da Economia e da Inovação preside hoje, dia 20 de Novembro, à cerimónia de assinatura do Acordo para o desenvolvimento de projectos na área do Gás Natural Liquefeito entre a Galp Energia e a PDVSA, Petróleos da Venezuela. A sessão terá lugar às 19H, no Salão Nobre do Ministério da Economia e da Inovação, e contará com a presença de Manuel Ferreira de Oliveira, Presidente Executivo da Galp, Rafael Ramirez Carreño, Presidente da PDVSA e Ministro da Energia e Petróleo da Venezuela e Eulogio del Pino, administrador da PDVSA.



Lisboa, 20 de Novembro de 2007

O Gabinete de Imprensa"

22/11/07 11:49  
Blogger sofia said...

porque no te callas ... apetece dizer... lol

22/11/07 12:39  
Anonymous Zeca said...

Seria interessante escrever mais um post sobre essa difamação e o motivo pelo qual essa senhora teve tal reacção.. Caso contrário, a impressão imediata que se transmite aos leitores do blog será a de mais uma atitude anti-democrática e autoritária da parte de uma chavista contra um anti-chavista. E não é difícil encontrar informações na internet sobre o episódio...

Um abraço
Zeca

22/11/07 15:05  
Blogger José Gomes André said...

Obrigado nc. Muito se falou da visita de Chávez e poucos mencionaram a assinatura desses tratados "obscuros". São a eminência parda do regime, que nos colocam em situação de dependência face a sistemas políticos muito pouco recomendáveis.

Caro Zeca, quando coloquei o post ainda não conhecia esses "atenuantes". Pelo que li, sei agora que a senhora foi de facto difamada, numa referência abjecta a um filho morto. Não sei se há outros factores ou motivos, mas este já é grave e enquadra o contexto.

Todavia, acho que estamos de acordo que esta reacção é inaceitável e diz muito do que se passa hoje na Venezuela, quer a um nível político, quer social. Penso que uma deputada tem responsabilidades acrescidas; esses "atenuantes" não justificam de modo nenhum esta reacção extemporânea e violenta. Os tribunais existem para resolverem estes diferendos e há várias maneiras para exercer protestos.

Sublinho no entanto uma ideia tua: é fácil empolar este acontecimento e fazer uma leitura maniqueísta: o anti-chavista imaculado é atacada pela autoritária e tirânica apoiante de Chávez. Se dei a entender que fiz esta leitura, peço desculpa.

Também acho que é mais complicado que isso. Mas este episódio é revelador de um ambiente de censura e conflito social que Chávez instaurou na Venezuela e que a todo o custo o próprio Chávez e muitos observadores têm tentado esconder.

Grande abraço!

22/11/07 16:52  

Enviar um comentário

<< Home