segunda-feira, dezembro 17, 2007

O futuro está aí

E promete ser brilhante, se se tiver em conta a entrevista/reportagem do "Expresso" sobre José Moura Soeiro, a nova coqueluche do parlamento. Soeiro chegou à bancada parlamentar do Bloco de Esquerda através de uma daquelas manobras absurdas dos partidos que permitem que pessoas não eleitas pelo voto acabem por ocupar cargos públicos eleitos (neste caso acho que chamam à coisa “mecanismo de rotatividade”, o que apesar de ter toda a aparência de ser inconstitucional, soa muito bem). A particularidade deste deputado é que acabou de completar 23 anos. 23 anos, leram bem. Ah, esta juventude precoce!

E quais são as opiniões deste rapaz prodígio sobre o nosso parlamento? Está “dominado por cinquentões enfatiotados que não representam a sociedade”. Vai daí e o José decidiu, para “quebrar a rotina”, segundo o próprio, trazer “jeans” e “sweat-shirt” para a Assembleia. Faltou-lhe a coragem num último momento e acabou por se cobrir com uma “camisa de ganga” (“para não chocar os mais conservadores”, acrescenta a jornalista). Todavia, José já deu o grito do Ipiranga: não contem com ele para usar camisa! Ou, na sua douta formulação, “o esforço de contemporazição com o sistema vigente atingiu o limite”. E que esforço, meus senhores, e que esforço!

Quais são as suas ideias políticas fortes? Para além da lenga-lenga habitual do Bloco (liberalização das drogas, oposição à “globalização capitalista”, libertação sexual e outras grandes questões do nosso tempo), essencialmente duas: a Educação e a Cultura. E que propõe o dr. Soeiro? Defende “o direito ao sucesso para todos”. Por quem sois, José, por quem sois! Vamos decretar já esse direito, mas depressinha que se faz tarde! Pode ser que o doutor descubra que, à data do seu nascimento, a educação já era livre para todos em Portugal há quase dez anos...

E o que pretende o senhor na Cultura? A “democratização do acesso aos bens culturais”. Ora bem, a colecção do Berardo já é de graça. A Gulbenkian oferece bilhetes ao preço da chuva. O cinema custa menos que um whiskey. Ah, já sei: borlas para o São Carlos! Disto é que a malta precisa! Não? O doutor Soeiro diz que não adere aos espectáculos “mainstream”, preferindo uma “agenda alternativa”? Aqui entre nós, parece-me que essa dita “agenda” já está suficientemente “democratizada”: basta uma camisola colorida, barba farta e tranças por lavar.

No final da reportagem, o deputado Soeiro fala-nos do momento-chave da sua vida política: a invasão do Rivoli, no Porto. Atentem na descrição na primeira pessoa: “Foi uma acção poético-política”. Importa-se de repetir? Foi uma acção poético-política. Entre os que estavam cá fora, como eu, e os ocupantes do teatro circularam poemas a toda a hora. Foram momentos muito felizes”. Bravo, doutor, bravo! Esta foi de fazer chorar as pedras da calçada. Acreditem: este homem vai longe...

9 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Acho justo terem-lhe chamado coqueluche. Coqueluche quer dizer tosse convulsa, que é uma doença grave, pelos vistos (ou melhor, pelos excertos.

17/12/07 10:58  
Anonymous birnbaum said...

É um lídimo representante da gaiola de psitacídeos vulgarmente conhecida como parlamento.
Vivó Regime!

17/12/07 12:37  
Anonymous JM Calazans said...

...o HOMEM vai longe! O GAROTOLAS, permita-me que o corrija, com ironia qb.

17/12/07 19:55  
Anonymous Zeca said...

Coitado do rapaz... raia miúda se o comparamos com os velhotes que já lá andam há tanto tempo a mamar do povo.

18/12/07 00:35  
Blogger André, o campos said...

Caro Zeca, bem visto. Exceptuando a roupa, bem que se poderá diluir no meio daquela gente...

18/12/07 00:51  
Blogger José Gomes André said...

Sem dúvida, caro Zeca! Aliás, se há coisa que este "episódio" mostra é que o futuro do parlamento promete ser exactamente igual ao presente. Haverá muitos "doutores Soeiros" a preservar a nulidade de tão desprestigiada câmara...

18/12/07 02:00  
Anonymous Anónimo said...

que eu saiba o jose soeiro não tem tosse convulsa. o rapaz não tem problemas nenhuns de convulsões..antes pelo contrário não tem papas na lingua e sabe muito bem o que diz. O rapaz não é raia miuda nenhuma e muito menos coitado...pensa com a sua propria cabeça e não tem tendencia para andar a coçar a micose que é o que durante anos os doutos deputados eleitos, então legitimamente... pelo voto,fazem. alguns estão um mandato inteiro sem sequer abrir a boca porque são uns atrasados duns abortos duns paus mandados. Isso não acontece com o Jose Soeiro que apesar de lá estar há tão pouco tempo já se fartou de trabalhar.
E já agora se tentassem analisar o trabalho do rapaz, em vez de estarem para aqui com conversas da treta, que mais fazem lembrar " cinquentões enfatiados"
haja paciencia para aturar a vossa conversa da treta..

8/1/08 21:16  
Anonymous Anónimo said...

peco desculpa, hoje li este artigo e os comments, ja ninguem deve ler isto tudo, mas para quem ler, fica uma correcção: a expressão não é "raia miuda", mas sim "arraia miuda"! Faz falta agarrar nos velhos livros de Português de vez em quando... (e ler os excertos do Fernão, que afinal foi quem inventou a expressão, ou, pelo menos, a inseriu na literatura).

19/7/08 22:27  
Anonymous Anónimo said...

É um bocado triste ler coisas como estas! O José Soeiro é um dos poucos deputados decentes em Portugal. Ele não tem papas na língua, luta pelo que acredita e representa o que os eleitores do bloco pretendem!
Tenham vergonha!
Parabéns José Soeiro!

21/2/10 21:26  

Enviar um comentário

<< Home