segunda-feira, março 17, 2008

Nada a declarar

Portugal tem uma política externa? Uma orientação ideológica ou estratégica sobre o que se passa no mundo? Algo que esteja para além da organização de cimeiras inócuas, distribuição de croquetes no Museu dos Coches e a instalação de tendas e outros abrigos para receber líderes exóticos?

Creio sinceramente que não. Ou melhor, tem uma política externa que se caracteriza precisamente por não existir. Os países europeus estão a discutir e aprovar o Tratado de Lisboa? Nós vamos aguardar mais um bocado. O Kosovo declara a independência? O Governo acha bem-talvez-não. Chávez ameaça meia América Latina? Anunciamos que não temos nada para anunciar. A comunidade internacional indigna-se com a repressão no Tibete? O Primeiro-Ministro deve estar a fazer jogging ou a tomar o seu duplo café matinal. Prevê-se uma tomada de posição lá para o Natal.

2 Comments:

Anonymous NC said...

Ainda vou mais longe: Portugal tem uma política interna?

É muito provável que, por não ter política interna, não saiba quais são os seus interesses do ponto de vista externo.

Parece-me que Portugal se caracteriza por ser apolítico, ainda mais do que a maioria dos países, também eles servos da dinâmica de satisfação de necessidades que marca o mundo moderno, governado pela economia.

No nosso caso, penso que estamos ao nível dos caçadores-recolectores.

Não há dinheiro comunitário? Pois então caçamos, cercamos, encurralamos e predamos o que estiver mais à mão.

Há dinheiro comunitário? Então recolhemos o que existir, enquanto existir, e guardamos na toca, para um Inverno mais frio.

Como em tudo o resto que se encontra neste nível de primitividade, os mais fortes ficam mais fortes e os mais fracos, cada vez mais fracos.

Tudo o resto não importa. Política, externa ou interna? Nem sabemos o que isso é, nem tampouco nos interessa. O que verdadeiramente interessa é a satisfação das necessidades - para uns - e o controlo dessa satisfação - para outros.

Tudo o resto é paisagem.

17/3/08 11:56  
Anonymous Anónimo said...

Chávez, a sério? Pensava que era Uribe e os seus compinhachas da CIA, mas pelos vistos andava enganado...

17/3/08 23:00  

Enviar um comentário

<< Home