quarta-feira, outubro 22, 2008

Duas notas sobre o orçamento

1. Se se confirmar a nova regra, que permite que os partidos recebam donativos em dinheiro (para além dos tradicionais cheques e transferências bancárias), abre-se a porta a todo o género de abusos graves, que podem ir do nepotismo à corrupção. Esta lei não se coaduna com as regras de transparência próprias das democracias ocidentais, aproximando antes Portugal dos países do Terceiro Mundo.

2. Prevê-se o abrandamento da economia e pouco se mexe nos investimentos. Contudo, a previsão para o desemprego sugere uma estabilização nos 7,6%. Alguém acredita nisto?

1 Comments:

Blogger Carlos Santos said...

Honestamente, não. O desemprego supostamente varia em função do produto, no que gostamos de chamar de Lei de Okun (há aqui um legado Newtoniano: darmos nomes pomposos às leis ajuda a credibilizar a economia como ciência, dizem!:). Mas a sério, a lei de Okun prevê o desemprego a variar com o produto. Se as exportações vão diminuir, as importações alegadamente manter-se, o investimento público quebrar, a menos que haja um boom da procura privada, o desemprego tem de aumentar, em resposta à quebra do produto. Dizem os manuais.
Sobre o seu primeiro ponto nem comento. Entregas pecuniárias abrem a porta a todo o tipo de máfias.
Um abraço,
Carlos

22/10/08 23:33  

Enviar um comentário

<< Home